Causas por trás da água turva da sua piscina: conheça e evite!

15 de maio de 2020
Causas por trás da água turva da sua piscina: conheça e evite!

Problemas com a qualidade da água de uma piscina causam dor de cabeça, mas podem ser facilmente evitados. Para isso, você só precisa colocar em prática uma limpeza adequada e uma manutenção cuidadosa e regular dos equipamentos que ajudam nesse processo. Para provar isso para você, nós preparamos um blog sobre um problema bastante comum: a água turva! Vamos te mostrar, através de suas principais causas, que a solução é simples e apenas uma! Assim, a rotina de cuidados com a sua piscina vai se tornar muito mais confortável. Confira com a gente:

1. Índices baixos de cloro

Uma piscina com índice de cloro abaixo do recomendado é a causa mais comum de água turva. Assim, para que o problema não aconteça é necessário sempre se certificar de que o nível de cloro esteja na medida certa: de 1 a 3 ppm. De modo que ele seja capaz de combater as bactérias presentes na água.

Então, é muito importante não deixar que o índice fique abaixo de 1 ppm. Caso contrário, a água turva será um dos resultados.

2. Química desequilibrada

A água da piscina, porém, não é composta apenas pelo cloro. Há também outros químicos que devem ser monitorados e que podem levar à água turva caso estejam desbalanceados. Tais como pH, alcalinidade total, fosfato e dureza do cálcio. O pH, por exemplo, não é a causa direta do embranquecimento da água, mas afeta diretamente a eficácia do cloro, o que, por fim, acaba resultado no mesmo problema. Logo, é necessário ficar atento.

Para evitar a água turva causada por níveis incorretos de produtos químicos, é imprescindível fazer com que a análise da água seja parte da rotina! Diariamente se possível. Basta ter um estojo de teste confiável. Assim você pode analisar e equilibrar a água conforme necessário.

3. Sistema de Filtragem

O filtro é importante para manter a circulação da piscina e, claro, para conservar a filtragem e retirar as impurezas da água. Por isso, caso ele não esteja trabalhando direito, ou não seja utilizado pelo tempo diário recomendado, a água da piscina ficará prejudicada.

Assim, é fundamental se certificar de que o filtro esteja funcionando de acordo com o necessário. Ou seja: 8 horas diárias no mínimo! Além disso, o equipamento precisa ser bem cuidado. Não deixe que fique inadequado para o uso. Substitua o agente de filtragem (a área, por exemplo) quando preciso. Fique de olho no equipamento. A simples passagem do tempo tira sua eficiência.

4. Fatores ambientais e detritos

O contato da água da sua piscina com o ambiente exterior é inevitável. E é por ser inevitável que ela precisa estar sempre com os níveis químicos adequados, bem como o sistema de filtragem em bom funcionamento. Para que assim esse contato constante não prejudique a qualidade da água.

As possibilidades são muitas: poeira, pólen e folhas podem se acumular no filtro, impedindo que ele cumpra sua função. Insetos, excrementos de pássaros ou água escorrida para dentro da piscina (depois de uma chuva intensa, por exemplo) também podem deixar a água turva. E podemos incluir também produtos como hidratantes ou óleos usados no corpo dos banhistas.

5. Estágios iniciais das algas

Quando em seu estágio inicial, a infestação de algas é também indicada pela água turva. E mais uma vez: o problema com as algas, assim como com a água turva, é um sinal claro de que a piscina precisa de cloro para conseguir higienizar a água e matar as bactérias!

Viu só como a solução para evitar esse contratempo é apenas uma? Com uma manutenção e cuidados adequados, a qualidade da água fica sempre própria para o banho e você não precisa adiar a sua diversão!

Mas, caso já esteja com o problema, recomendamos que confira nosso blog completo e mais detalhado a respeito da água turva!

Além disso, você também pode conferir nosso post sobre como fazer a manutenção da sua piscina! Nunca é tarde para começar a aprender!