Nosso solo, nosso querido solo

15 de abril de 2016
Nosso solo, nosso querido solo

Como você trata o solo? Essa pergunta é crucial para podermos iniciar uma reflexão sobre ele, que de tão importante tem até um dia: 15 de abril é o dia Nacional da Conservação do Solo. Muitas vezes, o solo é desassociado do ambiente, motivando ações que causam impactos negativos ao ecossistema geral, incluindo nós, humanos. Na natureza não tem a possibilidade de dissociação, cada componente é único e uma peça importante para a continuidade dos ciclos. Imagine como seria viver num grande deserto, como seria não conseguir mais plantar nada, como seria? Impossível de imaginar um cenário tão apocalíptico, porém, o que achávamos impossível já é possível e já é hora de falarmos sobre ele: o solo e sua importância.

O solo é componente fundamental do ecossistema terrestre, pois é o substrato utilizado pelas plantas para se desenvolverem, como suporte de sustentação das raízes e nutrientes como água, oxigênio e nitrogênio, essenciais para o seu crescimento. Mas não é só de plantas que vive o solo, ele também é responsável pela regulação, distribuição e escoamento da água da chuva e de irrigação, armazenamento e ciclagem de nutrientes elementares para as plantas, proteção e filtragem da água, além de o homem utilizá-lo como matéria prima para suas construções e artesanatos.

É um recurso natural dinâmico, porém passivo à fácil degradação causada pela ação do homem na natureza. Suas funções mais básicas ficam prejudicadas sob as condições inadequadas, com o peso das reações negativas e rompimento do plano cíclico natural, como os que sofrem diretamente com os maus tratos, como os solos de áreas agrícolas e urbanas.

A degradação do solo é vista em diversas maneiras, tais como observados em processos de infertilidade, diminuição da matéria orgânica, perda de solo causada pela ação hídrica (água da chuva) e eólica (ventos), contaminação por elementos químicos industriais e urbanos (incluindo o lixo), alteração do formato do solo por conta de obras civis, exploração mineral e a desertificação.

A solução, no entanto, requer um pouco de cada um para ser resolvida, olhando com respeito para a natureza e revendo a forma como as nossas ações interferem em seu ciclo. Vamos todos cuidar com carinho do nosso lar, começando por nosso chão!